Inbound Marketing

Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo: qual a diferença?

O que é Inbound Marketing

Usando uma tradução livre, podemos definir Inbound Marketing como Marketing de Atração. A ideia por trás do Inbound é, em vez de a empresa ir atrás do cliente utilizando técnicas ortodoxas de Marketing, fazer com que o cliente voluntariamente encontre-a por meio de mecanismos de busca, sites de referência, redes sociais, etc.

No Inbound Marketing é o cliente que chega até o site da empresa, mas não imediatamente para comprar, e sim para primeiro buscar respostas que ele precisa. Ou, eventualmente, para matar uma curiosidade e, sem querer, descobrir que precisa de uma solução.

É uma técnica que se encaixa perfeitamente em tempos atuais porque é cada vez mais comum que pessoas utilizem os mecanismos de pesquisa para encontrar respostas para suas dúvidas.

Outro detalhe importante em Inbound Marketing é que a relação não se resume a apenas visitante e cliente. Diferente do Marketing tradicional, há um funil de vendas que segue uma ordem um pouco mais complexa e detalhada:

Atrair: Trazer visitantes para seu site através de conteúdo criado. A atração pode ser, principalmente, por busca orgânica, busca paga ou redes sociais;

Converter: Coletar os contatos dos usuários para poder iniciar um relacionamento com eles, transformando-os em Leads. A conversão pode ser feita através de uma oferta gratuita de um produto em uma Landing Page. Aprenda mais no Webinar “Como criar Landing Pages efetivas”;

Relacionar: É a chave para conduzir os Leads até o momento da compra. Use as mídias sociais, trabalhe suas listas de emails e prepare para a venda usando nutrição de Leads;

Vender: Após um relacionamento prévio com os Leads já mais próximos, o momento da compra se torna muito mais fácil e gera mais resultados. Alinhe equipes de Marketing e Vendas e qualifique seus Leads para vender seu produto às pessoas certas;

Analisar: Para manter a máquina funcionando e se desenvolvendo, examine cada etapa e identifique o que precisa de ajustes. Aprenda mais em nosso eBook “Web Analytics na prática”.

O que é Marketing de Conteúdo

Indo direto ao ponto, Marketing de Conteúdo é todo o conteúdo feito para educar, informar, entreter um futuro cliente. É o combustível do Inbound.

A ideia consiste em informar as pessoas para fazer com que futuramente elas não só respeitem a marca e a tenham como referência, mas também se tornem clientes.

O conceito “Marketing de Conteúdo” é relativamente novo. No entanto, suas aplicações já aconteciam antes mesmo da era digital. Sim, Marketing de Conteúdo offline existe. E faz tempo!

Contextualizando historicamente, em 1895 a John Deere publicou a primeira edição da revista “The Furrow” com foco em assuntos relacionados à agricultura. A revista cumpre exatamente o propósito do conceito: é voltada para pessoas interessadas em agricultura e que um dia poderão ter a necessidade de comprar um trator, por exemplo. É um dos primeiros registros de Marketing de Conteúdo, e desde então, várias marcas têm feito o uso disso.

Aqui na Resultados Digitais, nossa estratégia de Marketing de Conteúdo consiste em publicar posts no blog (como esse e também nos blogs Agências de Resultados e RD Station) e materiais ricos como eBooks, kits, ferramentas e webinars, sempre relacionados a Marketing Digital e Vendas, que é nosso foco.

Para exemplificar, vamos supor que seu negócio seja uma agência de turismo. Você pode criar um blog sobre viagens e começar a produzir conteúdo sobre o assunto para atrair futuros clientes.

Diferente de uma Assessoria de Imprensa, o Marketing de Conteúdo não é sobre falar da empresa em si, mas sobre o que a empresa pode entregar (ou fazer) para os clientes

Existe Inbound Marketing sem Marketing de Conteúdo?

O objetivo do Inbound Marketing está atrelado a atrair as pessoas para uma oferta, trocar essa oferta por seus dados e educá-las até que se tornem clientes.

No entanto, esse processo de Inbound entra diretamente em contato com o Marketing de Conteúdo pois não há como gerar Leads sem bons conteúdos.

Podemos resumir brevemente como o Marketing de Conteúdo sendo uma estratégia de relacionamento com o consumidor e o Inbound Marketing como uma estratégia de conversão e vendas.

A verdade é que não há Inbound Marketing ou Marketing de Conteúdo, e sim Inbound Marketing e Marketing de Conteúdo. Nenhum sobrevive sem o outro.

Pra que serve uma plataforma de marketing de conteúdo?

Talvez você tenha notado um aumento expressivo no número de fornecedores de tecnologia e soluções voltadas às necessidades de marketing de conteúdo. Esse novo movimento tem contribuído para a criação de plataformas de conteúdo, de automação de marketing e de vendas. E os números comprovam: 68% dos gestores de marketing de conteúdo estão aumentando o investimento em tecnologia. Neste artigo, falaremos apenas da plataforma de marketing de conteúdo e de suas funcionalidades.

O que é uma plataforma de marketing de conteúdo?

Uma plataforma centraliza diversas funcionalidades para atender às necessidades de uma equipe de marketing digital. No caso do marketing de conteúdo, o software possui diversas ferramentas voltadas à gestão, criação e até distribuição de conteúdos por meio de múltiplos canais. Algumas dessas plataformas permitem também a mensuração do impacto do conteúdo e dos resultados. Assim, é possível entender o que funciona ou não e modificar a estratégia de conteúdo. Isso significa que uma plataforma deste tipo ajuda na condução de sensibilização de leads e no aumento da receita vinda do marketing digital.

Para que serve?

Uma plataforma de marketing de conteúdo tem diversas funcionalidades, mas todas elas visam um objetivo comum: gerar resultados cada vez melhores e otimizar o processo de trabalho. Abaixo, separamos algumas das principais funcionalidades deste tipo de ferramenta:

Organização da estratégia

Você pode centralizar e estruturar as informações sobre sua estratégia: personas, objetivos, referências, jornada de compra, entre outras informações em um único local em que todo o time possa acessar facilmente independente do local em que estejam.

Alinhamento e unificação da equipe

Uma equipe de marketing digital não é composta apenas por redatores, mas também por designers, analista de SEO, editor, analista de mídias sociais e por aí vai. Quando há tanta gente envolvida em um projeto, as falhas de comunicação podem gerar retrabalho e prejudicar a produtividade do time. Por isso, a plataforma deve oferecer fácil integração entre todos os membros do projeto, controle de prazos para cada responsável, e histórico de mensagens trocadas.

Criação de conteúdo

O conteúdo pode ser escrito e editado na própria plataforma. Assim, o gestor pode acompanhar o processo de criação, revisão, edição e aprovação em tempo real e centralizar os conteúdos.

Controle e agendamento de publicações

Com o calendário editorial você pode verificar status de produção, tipo de conteúdo, prazos e responsáveis. Além disso, há plataformas integradas com o WordPress e redes sociais, facilitando bastante o processo de publicação. Você pode deixar as publicações planejadas pelo tempo que desejar mantendo a frequência sem precisar de acompanhamento diário.

Gestão do fluxo de produção

Caso sua empresa já tenha um processo de produção de conteúdo definido, você pode organizá-los na plataforma, identificando quem participa de cada etapa da produção, os prazos que cada etapa permite a fim de entender e controlar a participação de cada agente do seu time.

Autopublicação

Já tem uma agenda de produção bem organizada? Sem tempo para agendar social posts manualmente? Automatize! Algumas soluções conseguem publicar automaticamente em canais como WordPress, Twitter, Facebook, Google Plus, Linkedin entre outras.

Gestão de ideias e pautas

Quando a produção é pequena e ainda está no início, trocar ideias e sugerir pautas em planilhas e e-mails pode até parecer eficiente. Mas quando a produção aumenta e o número de e-mails passa de três, provavelmente alguém do seu time vai se perder em meio a tantas informações. Para evitar isso, centralize suas ideias e pautas de produção em um único local.

Papéis e permissões

Escolha quais funções da plataforma cada profissional irá executar e até qual etapa cada usuário poderá atuar, criando fluxos de trabalho exclusivos para cada tipo de conteúdo.

Análise

Entenda como sua produção de conteúdo está fluindo e tenha respostas para questões como: os conteúdos estão em dia? Os responsáveis estão cumprindo suas atividades em tempo adequado? Há gargalos na produção? Há conteúdos que precisam da sua atenção?

Em resumo, uma plataforma de marketing de conteúdo deve estar orientada para quatro processos principais: estratégia, produção, distribuição (publicação e promoção) e análises.

Fonte: Contentools

O Potencial do Inbound Marketing na Venda Social

A forma como as pessoas encontram e acessam informações mudou muito ao longo dos anos. Uma das consequências disso são as mudanças nas maneiras de fazer marketing e vendas. Hoje se fala muito sobre o conceito de venda social.

“Venda Social é sobre usar as redes sociais para ajudar a construir relacionamentos com seu público-alvo a fim de apoiar as atividades de vendas”

Esta é sem dúvidas a mais nova habilidade em vendas. Um representante de vendas que ignorar as redes sociais como ferramenta de apoio, principalmente no segmento B2B, perde a vantagem de ultrapassar 23% de suas metas usando Venda Social. Representantes de vendas precisam destas habilidades para usar as mesmas ferramentas que seus prospects.

Além de estabelecer a sua marca pessoal e encontrar prospects, o objetivo – e o desafio – da venda social é criar relacionamentos e engajar através de insights. Mas como educar um possível cliente nas redes sociais? Através de conteúdo relevante. É neste momento que o marketing e as vendas devem se alinhar:

Venda Social e Inbound Marketing

A ideia de Venda Social se encaixa muito bem no método de Inbound Marketing. O Inbound busca se tornar uma fonte confiável de informação: você não quer explodir anúncios na tela de seus clientes apenas para chamar atenção. Ao invés disto, você fornece informação de qualidade, responde perguntas, fornece insights e naturalmente educa seus clientes sobre seu segmento.

Enquanto a maioria das atividades envolve compartilhar e fornecer dicas, há também em alguns casos a necessidade de criar artigos e e-books mais aprofundados. Neste tipo de conteúdo, é possível demonstrar um profundo conhecimento e domínio do assunto, além de entendimento dos desafios do cliente.

Contudo, os representantes de vendas, apesar de estarem muito mais próximos dos clientes não têm necessariamente as habilidades para gerar este tipo de conteúdo, então eles acabam compartilhando links e artigos que acreditam ser interessantes. É por isso que as equipe de marketing e de vendas precisam trabalhar juntas: para assegurar que o conteúdo produzido seja adequado para o público-alvo, supra suas necessidades e alcance suas expectativas

Objetivos em comum

Não seria ótimo se uma grande parte dos leads convertesse em vendas? Venda Social e Inbound são perfeitos juntos e possuem o mesmo objetivo: atrair e nutrir leads até o momento da conversão.

Ao aplicar este conceito em conjunto com marketing de conteúdo, o funil de vendas estará sempre preenchido com pessoas que já estão conectadas a você, que já sabem o que você faz e como. Além disso, ao construir sua reputação, quando houver uma necessidade, a sua solução será a primeira a ser lembrada. Este é o potencial do marketing de conteúdo na venda social.

Fonte: Contentools

Marketing de Conteúdo gera resultados

Ao longo dos últimos anos o marketing de conteúdo deixou de ser apenas uma novidade para se tornar uma maneira real e efetiva de se comunicar e gerar oportunidades de clientes.

Os clientes buscam produtos e serviços que atendam suas necessidades e resolvam seus problemas. Essa busca, em geral, começa pelo Google ou outros mecanismos de busca, onde o usuário procura informações que o ajudem com determinada necessidade. De acordo com o ZMOT (Zero Moment of Truth) – teoria do Google que inclui esse momento de busca no ciclo de compra do consumidor – é nessa hora que o usuário busca informações que possam ajudá-lo a escolher entre este ou aquele produto ou serviço.

Empresas espertas e ágeis investem em marketing de conteúdo pois ele é um fator essencial para ajudar a posicionar melhor o seu negócio exatamente no momento em que o usuário está realizando a busca, ou seja, é essencial para melhorar o ranqueamento da sua empresa nos resultados elencados pelos buscadores.

Isto ainda pode parecer muito novo para você e, por isso, separamos algumas estatísticas para mostrar porque o marketing de conteúdo deve ser considerado cada vez mais uma realidade no seu negócio.

Investimento

– Em 2013 Marketing de Conteúdo se tornou a prioridade número um para profissionais de marketing em B2B e B2C, com 39% deles planejando investir pesado nessa área (Econsultancy/Adobe, Jan 2013);
– Os mais efetivos departamentos de marketing B2B investiram cerca de 39% dos seus orçamentos em conteúdo (CMI, 2014);
– Profissionais de marketing, em média, investem mais de 25% dos seus orçamentos em conteúdo e iniciativas relacionadas (Content Marketing Institute/Marketing Profs, 2012);

Custo x Conversão

– Marketing de conteúdo tem um custo 62% menor do que as iniciativas tradicionais de marketing, e gera em média três vezes mais leads. (Demand Metric);
– Se analisarmos cada dólar investido, marketing de conteúdo gera três vezes mais leads que anúncios na busca paga (Kapost/Eloqua, Jun 2012);
– Blogs convertem leitores em compradores: 42% deles acessam blogs buscando informação sobre possíveis compras; 52% disseram que os blogs impactaram sua decisão de compra; e 57% dos profissionais conquistaram novos clientes com seu blog (LeadersWest Digital Marketing Journal);

Proximidade e relacionamento

– 80% dos tomadores de decisão nas áreas de negócios dizem que preferem conseguir informações sobre uma empresa em uma série de artigos/reportagens do que em anúncios (Content Marketing Institute, 2012);
– 70% dos consumidores dizem que o marketing de conteúdo faz com que eles se sintam mais próximos da empresa que gera o conteúdo (Content Marketing Institute, Nov 2012);
– 63% dos leitores tendem a ser mais influenciados por blogs do que por revistas, quanto a decisão de uma compra;

Estratégia e branding

– Presença online é obrigatória para a maioria dos negócios, já que 93% das pesquisas começam em uma ferramenta de busca, e 68% dos consumidores conferem as páginas das empresas nas redes sociais antes de comprarem (Brandpoint);
– 93% das empresas B2B acreditam no marketing de conteúdo para construção de marca e para geração de demanda (Content Marketing Institute);
– 66% dos mais efetivos profissionais de marketing de conteúdo tem uma estratégia de conteúdo documentada (Webdamsolutions);
– 86% das empresas tem uma pessoa dedicada totalmente a isso ou um time, que são responsáveis por gerenciar a estratégia (Webdamsolutions).

Fonte: Contentools

O que é Inbound Marketing e como usá-lo a seu favor?

O Inbound Marketing é uma forma de marketing que se encaixa perfeitamente nos desejos e necessidades do cliente. Encontrar uma definição para esse termo é bem difícil, pois o conceito é amplo e característico. Basicamente, podemos afirmar que é uma maneira de ganhar o interesse de um público específico através de uma ideia de desenvolvimento e compartilhamento de conteúdo, visando estabelecer uma conexão com as pessoas de forma direta criando um relacionamento duradouro.

O Inbound Marketing atrai o público, ao invés de interrompê-lo. Você já acessou o YouTube? Então certamente já se deparou com o marketing forçado, quando foi obrigado a ver uma propaganda de alguma marca antes de visualizar o vídeo. O “novo marketing” se inclina para a melhoria de seu negócio, e não simplesmente para a captação direta de clientes, como por exemplo, disponibilizar ao leitor um assunto de seu interesse e no fim do material adicionar um botão de contato. Caso tenha interesse em conhecer mais sobre a sua empresa, ele contata sua empresa de forma espontânea. Assim, os clientes acabam sendo atraídos pelo que a marca desenvolve e divulga. Acompanhe a seguir.

A história por trás do “novo marketing”

O termo Inbound Marketing foi usado primeiramente por Brian Halligan, co-fundador da empresa Hubspot. Seus princípios se desenvolveram há décadas e tem sua fundação baseada no conceito de Seth Godin, o Marketing de Permissão, o qual publicou o livro “Permission Marketing” em 1999, contendo os princípios utilizados no Inbound Marketing. Antes, o consumidor que não tinha acesso à internet não podia controlar as informações que recebia, um tipo de publicidade que interrompe o processo de comunicação.

Hoje, o usuário pode ter total controle sobre o que pretende ler ou assistir, entre milhões de sites na internet e fanpages de redes sociais. Quando ele recebe algo de forma agressiva, se dispõe a afrentá-lo, até mesmo as grandes marcas. Se o consumidor agora tem o poder de descartar sua campanha, nada melhor do que conquistá-lo oferecendo algo que ele queira receber. Portanto, o Inbound funciona como um “imã”, que atrai o seu cliente através do conteúdo de qualidade.

Formas de atrair um público específico

Ao contrário do “velho marketing”, que utiliza qualquer tática para “empurrar” produtos ou serviços para o cliente, o “novo marketing” adota táticas para ganhar o interesse das pessoas. O foco principal é produzir e compartilhar conteúdo atraente utilizando formatos como:

-Publicação de posts cativantes em blogs;
-Ebooks e Whitepapers;
-Divulgação de infográficos;
-Webinars, Poscasts e fóruns online;
-Vídeos online;
-Guest Posting e questionários;
-E-mail marketing;
-Conteúdo em mídias sociais;
-SEO;

Os benefícios para a sua empresa

Leads qualificados

Criando conteúdo útil para o público certo, a sua empresa consegue criar uma aproximação maior com o leitor. Ele estará consumindo, com frequência, conteúdos interessantes e se educa mais sobre o assunto. Assim, você não só vira autoridade no assunto por fornecer as informações, mas também educa o cliente para que ele se torne um lead qualificado para a equipe comercial.

Mensuração

No Outbound Marketing, o retorno é uma incerteza. Imagine um outdoor: quantas pessoas que viram aquela peça entraram em contato com a empresa? Com esse marketing, é possível mensurar o quanto aumentaram as vendas no período da campanha, mas não é mensurável a porcentagem de pessoas que foram convertidas em clientes. Já no Inbound Marketing, os resultados são mais palpáveis. Com o auxílio de ferramentas torna-se fácil analisar o número de visitantes do site, leads, acessos nos blog posts, número de cliques nas landing pages, conversões e diversas outras métricas.

Custo

Ele custa 62% mais barato que o Outbound e produz uma média de ROI (Retorno sobre o Investimento) de 275%. Diante da economia atual, a nova estratégia é imprescindível para as empresas, segundo 92% dos profissionais de marketing americanos.

Fonte: Contentools

  • 1
  • 2
Facebook
Instagram
Tweeter